jump to navigation

De tempo em tempo, o tempo cura a quem se da tempo. 15/09/2010

Posted by arthur lacerda in textos.
Tags: , , , , , , , ,
add a comment

...mas não são os meus

Após um ENORME tempo sem postar nada, vim bater a poeira desse espaço, e deixo aqui uma obra um tanto recente, espero que gostem.

Meus lamentos

Ontem eu chorei.

Ontem eu chorei porque eu havia de chorar.

Ontem eu chorei porque não podia mais agüentar por todo aquele tempo.

Ontem eu chorei por chorar.

Chorei de saudade, chorei de alegria, chorei de emoção, chorei de vida, chorei de amor e chorei de amor.

Chorei forte. Chorei sincero.

Não sabia por que chorava também. Tem coisas que agente nunca descobre. Tem coisa que é melhor não descobrir.

Ontem eu matei a saudade de chorar, lágrima após lágrima. Descendo como alívios para os meus horrores.

Ontem eu matei a vontade de me saciar. Mas em vez de saciar os desejos, saciei minhas dores.

Sabe por que eu chorei?

Eu sei por que eu chorei, eu sou um mentiroso, menti até agora, menti sete vezes.

Sete vezes eu tentei me esconder.

Mas EU sei porque eu chorei. Eu e apenas eu.

Só que não me culpo, nunca tinha acontecido nada igual até hoje e eu tive medo. Aliás, estou com medo.

Porque eu estou apaixonado e não sei o que fazer .

Nostalgiando 19/03/2009

Posted by arthur lacerda in profetizando, textos.
Tags: , , , ,
1 comment so far

"o canto da terra sagrada" (one piece)

Há algum tempo, precisamente na oitava série este texto saiu de minhas mãos

mudou minha vida…

                                                                         SIM É ISSO

Imagine uma viagem… Onde todas as pessoas teriam as suas felicidades… Os seus azuis negros de cada pétala de uma borboleta que atravessa os vãos do único grão de areia q vai e volta nas ondas do nada.

Imagine um sonho… Em que todos teriam suas próprias bolhas de sabão estourando a cada badalada do sino dourado da vida.

Agora… Não imagine… Não tente… Sinta todos aqueles espirais contorcidos e aquelas bolas coloridas que passam por você a cada segundo, e você simplesmente as ignora… Sinta todo o azul glamoroso que você não nota todos os dias… Sinta a sombra que te cobre, sinta ela, converse com ela, pois ela vai te acompanhar a cada fechadura.

Veja ao redor todos aqueles quadros traçados que te envolvem e você os pinta de forma que alguém ordenou, veja os quadros que você já pintou, e que os outros já pintaram… Engraçado não? Eles parecem ser os mesmos…

Agora pare, pense… Pois a borboleta pode nunca mais voltar… Suas bolhas podem nunca estourar… E você vai continuar o resto da vida com um pincel na mão…

pintando

Completa ai… 13/03/2009

Posted by arthur lacerda in profetizando, textos.
Tags: , , , , , ,
5 comments

fica a dica

muitas veses agente tenta escrever alguma coisa de impacto pra fazer pessoa pensarem, acho q dessa vez eu consegui:

Piegas à meia-noite

 

Como todo bom texto, este aqui também irá começar pelo seu princípio.

Bom… Como não há nada a dizer sobre este gentil (Duvida! Se o escritor refere-se a ele mesmo com palavras gloriosas, pensam que ele é arrogante. Se ele se rebaixa, vão achar que ele se acha tão bom que tem que se rebaixar, e novamente vão achá-lo arrogante. Então, nobre leitor, cabe a você escolher uma palavra que, no fim, vai me destruir. Mas antes que eu vire um machado voltemos ao texto), até porque não sou famoso muito menos um profeta, porém tenho considerações que cabe a eu dizê-las. E já que estou pelado, na há mais nenhum motivo para esconder alguma coisa. (leitor, o certo é “cabe a mim dizê-las” ou “cabe a eu dizê-las” ?, na duvida eu acreditei no Word).

Venho falar do estranho fato onde duas coisas tendem a ser uma só, mas serão duas sempre (óbvio). Um exemplo prático, todo mundo lembra do preconceito do branco contra o negro, mas ninguém lembra do preconceito do negro contra o branco. NÃO QUERO SABER! Ele existe. É chato ouvir o outro lado da moeda já que todo mundo tenta esconde-la. Mas a intenção não era citar esse exemplo de merda,mas…(Blah!) Pessoas tentam aparecer pelas sombras, controlando a luz de seus candelabros. Tente ver isso, largue seu ego de lado e vá pensar em seus atos cotidianos.

O rico ajuda o pobre pra mostrar que é rico, o pobre aceita o dinheiro pra não ser arrogante.

É tarde, estou com sono, completa o texto aí, é fácil, é só viver.

Mas fica a dica: Uma vez eu coloquei um espelho em frente ao planeta e de cara não apareceu nada. Outro dia apareceu Deus.

Histeria 12/03/2009

Posted by arthur lacerda in profetizando, textos.
Tags: , , , ,
add a comment

fina capa invisivel

Dois posts no mesmo dia, não vai acontecer muito, mas tenho q dar algum conteúdo de início pra minha paginéca

texto de minha autoria:

 -Histeria-

      Olhar para a cidade e se perder na multidão de pontos que se concentram em todos os lugares, formando uma corrente infinita e circular que se mostram presentes em todos os lugares, fechando todos os lugares, abafando, sufocando, torturando e deixando não morrer todos os lugares que um dia foram vivos.

       Inertes se tornam todas aquelas pessoas que se iluminam na luz da religião, essa que mira os olhos e atacam sem compaixão. Ouro dos tolos, tão valiosa quanto a moeda de chocolate, e força dos desavisados, como um enorme pilar de areia.

       Pessoas vem e pessoas vão, cada vez trocando de cadeia por livre e espontânea vontade

        Tolos aqueles que saem de seus acolhedores ventres para depois, só depois, se converterem em mercado. Mercado de médicos, estudantes, criminosos, pedreiros, executivos. Mais tolos aqueles que resistem ao mercado

       “tolos” nos chamaram, então tolos devemos ser. Tola a criança que pede a mãe um kinder-ovo. Tolo o estudante que come o seu hambúrguer. Tolo aqueles tolos todos com seus desejos bobos.

        Gritos desesperados, dor (muita dor), lagrimas, toda a sinceridade foi despedaçada por uma fina capa invisível, mas que todos a percebem

        Um dia resolveram abrir a porta, outro tolo. Que aventureiro. Que desbravador. Que surpresa. Do outro lado era a mesma coisa.

Para complementar um texto um vídeo do Muse – Hysteria, de onde eu tirei os sentimentos que inspiraram o texto: